quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Tipos de Franchising


No decorrer dos últimos anos o sistema de franquias vem se desenvolvendo e assumindo novas relações entre franqueados e franqueadores. Mas, em princípio, pode-se apresentar três (3) tipos de relação:
  • Franchising no Varejo Patrocinada Pelo Fabricante: Trata-se do franchising de produtos e marcas. Ou seja, o tradicional. É a concessão da exploração comercial de uma determinada marca, associada à revenda de produtos ou à prestação de serviços, os quais são fornecidos pelo franqueador ao franqueado. Nesse tipo de franquia não existe muita supervisão ou apoio do franqueador e os principais exemplos são os postos de combustíveis e as revendas de automóveis.
  • Franchising no Atacado Patrocinada Pelo Fabricante: Em relação ao tipo anterior, inclui-se a exclusividade no fornecimento do produto (ou serviço), existindo mais supervisão do franqueador. O caso clássico são as indústrias de refrigerantes, onde o fabricante concede licença aos engarrafadores que compram seus concentrados, industrializam e vendem o produto aos varejistas.
  • Franchising no Varejo Patrocinada Por Prestadora de Serviços: É um formato de negócio que inclui a transferência de tecnologia do franqueador ao franqueado. Esse know-how se refere ao planejamento, a implementação e ao gerenciamento da unidade franqueada e os melhores exemplos são as redes de fast-food.

No início de suas atividades muitas dessas redes não cobravam taxas abusivas ao novo franqueado e, além disso, não "vendiam" áreas geográficas para atuação exclusiva do franqueado. Elas visualizavam ótimas potencialidades nesse segmento e compreendiam que o sucesso dos franqueados levaria – necessariamente – ao sucesso da rede.
Sendo assim, pode-se afirmar que as potencialidades do sistema Franchising são praticamente inesgotáveis e, por ser muito flexível, pode apresentar formas bastante diversificadas e adaptáveis à dinâmica de cada negócio.

Franchising / Franqueador / Franqueado


Franchising é um arranjo para melhor distribuir produtos e/ou serviços que, juridicamente, se implementa através de um contrato pelo qual o detentor de uma determinada marca – ou algum método de comercialização – outorga a alguém licença para explorar essa marca ou tecnologia. Nesse cenário o Franchising estabelece duas presenças:
  • Franqueador: É aquele que detém a marca e o know-how da comercialização de certo bem ou serviço. Os direitos de revenda e uso são cedidos pelo contrato.
  • Franqueado: É aquele que adquire contratualmente o direito de comercializar o bem ou serviço. Geralmente esse uso se restringe a certa área geográfica e vem acompanhado do benefício da marca e de apoio para o gerenciamento do negócio.
No sistema Franchising o franqueador (detentor da marca) estabelece o modo pelo qual o franqueado (interessado pela concessão) deverá instalar e operar seu próprio negócio e desempenhar suas atividades, as quais serão desenvolvidas sempre sob o comando e orientação do franqueador.
Um dos grandes atrativos do sistema é que ele permite a formação de uma rede de distribuição formada por empresários, os quais investem e apóiam o sucesso do franqueador. A remuneração será prevista em contrato e variará de negócio para negócio. Outros atrativos do sistema Franchising:
  • O franqueado pode fornecer informações permanentes ao franqueador a respeito das tendências do mercado e o comportamento dos consumidores.
  • O franqueado é um parceiro na marca franqueada e atua com iniciativa e responsabilidade próprias.
  • O franqueado procura trabalhar com mais eficiência, servindo melhor aos consumidores do que se fosse um funcionário, pois ele é um empresário e seu desempenho econômico dependerá de como ele atende seus clientes.
  • O franqueado conhece melhor seu mercado do que o franqueador, podendo fazer adaptações no negócio exigidas pelas características da sua região.
Fonte: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/franquias-franqueados-e-franqueadores/57908/

Haverá concursos para áreas 'muito estritas' em 2012, diz Miriam Belchior


A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, disse nesta quarta-feira (31), ao comentar a proposta de orçamento federal para 2012, enviada pelo governo ao Legislativo, que haverá concursos públicos no próximo ano somente para "áreas muito estritas".
"Estão previstos recursos para contratação em áreas fundamentais, no plano Brasil Maior, para poder reequipar o Ministério do Desenvolvimento e para fazer todo o acompanhamento das denúncias de triangulação, das práticas nocivas ao comércio internacional. Há uma previsão de recursos para concursos menor do que tínhamos. Haverá concursos em áreas muito estritas. Há recursos para substituição de terceirizados. A gente já quase substituiu tudo, mas há recursos para isso", disse ela a jornalistas.
Questionada sobre os reajustes de salários dos servidores públicos, a ministra do Planejamento afirmou que há uma previsão para os "valores que o governo aceitou negociar com os servidores".
Reajuste para o JudiciárioSobre o projeto de reajuste do Poder Judiciário, em mais de 50%, que tramita no Congresso Nacional, a ministra afirmou que a proposta de orçamento do ano que vem não contempla essa possibilidade. "Não faremos guerra com o Judiciário. Estamos discutindo com o Judiciário se é apropriado este projeto de aumento nos limites que estão propostos ao Congresso Nacional. Não foi aprovado ainda e não está apropriado no orçamento este reajuste", declarou Miriam Belchior.
Gastos com servidoresA mensagem presidencial da proposta de orçamento de 2012, enviada ao Poder Legislativo, informa que os gastos com pessoal estão previstos em R$ 203,24 bilhões, o que inclui ativos, inativos e pensionistas da União, além de encargos sociais e sentenças judiciais. Isso, segundo o governo, representa um crescimento de 1,8% frente ao previsto para 2011 (R$ 199,6 bilhões).
"Os gastos do Poder Legislativo representam 3,54% do total; do Poder Judiciário, 11,5%; do Ministério Público da União (MPU), 1,49%; e do Poder Executivo, 83,47%", informou o governo.
Esse crescimento na despesa de pessoal previsto para 2012, segundo o Ministério do Planejamento, decorre do provimento de cargos, no valor total de R$ 1,65 bilhão, dos quais R$ 58 milhões para a Câmara dos Deputados, Senado e Tribunal de Contas da União, além de R$ 305 milhões para o Judiciário, R$ 61 milhões para o Ministério Público da União e R$ 1,23 bilhão para o Executivo.
A continuidade do processo de estruturação e reestruturação de carreiras e redesenho dos sistemas de remuneração do Poder Executivo terá R$ 1,5 bilhão, informou a secretária de Orçamento Federal, Célia Correa. As informações são do G1.

Qual a idade certa para ser um empresário



Pesquisa aponta que pessoas entre 26 e 45 anos têm mais chance de sucesso quando iniciam um empreendimento. A pesquisa foi feita pela Ernst & Young com empreendedores “de todo o mundo” para mapear seu perfil. Se a pesquisa aponta essa faixa etária como sendo a de mais sucesso nos negócios, o que dizer de quem é mais jovem ou mais velho? Há uma idade certa para empreender?
Empreender, mais do que a vitalidade da juventude (e juventude primeiro vem da cabeça, não do corpo), exige preparo para o ramo, inteligência emocional e trabalho, muito trabalho.
Preparar-se para o ramo
Empreender na área de mídias sociais tem sido uma das alternativas mais optadas pelos jovens. Basta um computador e cadastro das principais redes sociais para isso, né? Errado! Para trabalhar como social media é preciso treinamento específico na área. Da mesma forma, qualquer que seja o empreendimento a ser iniciado, qualificar-se para tal, estudar o mercado e elaborar a estratégia mais adequada é fundamental.
Inteligência emocional
Ter capacidade para canalizar as emoções para o sucesso do negócio também é importante. Um empreendedor, por mais preparado que esteja, sempre vai enfrentar um ou outro acidente ou surpresa pelo caminho. Desesperar-se não adianta de nada, assim como focar no ponto errado achando que vai resolver a situação. Inteligência emocional para saber lidar com as mais inesperadas situações, inclusive com um possível sucesso surpreendente, deve ser levado em consideração.
Trabalho, trabalho, trabalho, trabalho, trabalho…
Ok, você tem o plano, está preparado técnica e psicologicamente. É o bastante? De jeito nenhum, agora é hora de botar pra fazer. Um empreendimento em fase inicial demanda muito mais horas de trabalho que você imagina. É nessa hora que o empreendedor deve mostrar-se incansável e persistente. Nem sempre a coisa dá certo da primeira vez, e é por isso que trabalho multiplicado por trabalho é necessário para que a roda comece a girar.
Se você tem esses três requisitos, não importa a sua idade, você vai conseguir. Nunca ache que é velho demais ou experiente de menos para iniciar seu negócio. Com preparo, inteligência emocional e esforço muita coisa é possível!
O que você acha da pesquisa? Há idade certa para empreender? Comente!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Prêmio Santander de Empreendedorismo distribui R$ 200 mil em prêmios

Inscrições de estudantes de graduação e pós-graduação são aceitas até o dia 13 de setembro. Podem ser desenvolvidos projetos em quatro áreas de estudo 






Imagine desenvolver um projeto e ser premiado por isto? Para estimular oempreendedorismo e a pesquisa científica com atenção ao desenvolvimento sustentável, o Prêmio Santander de Empreendedorismo daráR$ 200 mil para os quatro melhores projetos nas áreas da Indústria; Tecnologia da Informação, Comunicação, Cultura e Educação; Produtos e Serviços; e Biotecnologia e Saúde, além de curso online na Babson College. Mas "corra": as inscrições individuais e em grupos serão encerradas no dia 13 de setembro.

O prêmio é destinado aos alunos de graduação pós-graduação com mais de 18 anos, devidamente matriculados em universidades reconhecidas pelo MEC (Ministério da Educação). Não há limite de integrante para a formação da equipe, entretanto, é preciso que todos sejam da mesma instituição de ensino. Cada participante ou equipe deverá ter um professor orientador em exercício na universidade. Ele irá acompanhar e orientar o trabalho.

Será distribuída premiação total de R$ 200 mil, sendo R$ 50 mil por categoria, além de bolsas de estudos presenciais na Babson College para os líderes dos projetos vencedores e para o professor orientador. As bolsas incluem passagem aérea, hospedagem e alimentação. O prêmio deverá, obrigatoriamente, ser empregado na execução do projeto vencedor no prazo máximo de um ano.

Para mais informações, acesse o edital do Prêmio Santander de Empreendedorismo . As inscrições podem ser feitas pelo site do prêmio.

As vantagens de se abrir uma franquia de notebooks

O investimento é baixo e o retorno é rápido no mercado que só cresce



As vendas de notebooks no Brasil crescem vertiginosamente. Nos últimos cinco anos, as vendas dos laptops multiplicou em mais de dez vezes, e desde o ano passado já superaram as de desktops (computadores de mesa). Em 2010 foram mais de 7 milhões de unidades vendidas.
O número de lojas cresceu bastante e as franquias se apresentam como boas oportunidades de negócios na área. O franqueador Paulo Castanho, diretor de uma rede com 30 lojas, defende que as vendas e os lucros em uma franquia são maiores por passarem mais confiança aos clientes.
O professor Carlos Rubem Pinto, coordenador do curso Como Tornar uma Empresa uma Franqueadoraelaborado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, afirma que vale a pena investir em uma franquia, por que o franqueado recebe pronto o modo de implantação da empresa com resultados positivos obtidos em outros lugares.
Segundo o franqueador, no caso das franquias de notebooks, o investimento é baixo se comparado às outras, em torno de 65 mil reais, e o retorno é rápido, em média 24 meses. A expectativa da rede é subir para 200 lojas nos próximos 5 anos.
Boa parte dos lucros de uma franquia vem do fornecimento de acessórios e de manutenção. O especialista em manutenção de equipamentos de informática, Marcos Jerônimo dos Santos, professor do curso Manutenção de Notebooksdesenvolvido pelo CPT – Centro de Produções Técnicas, explica que os notebooks exigem uma manutenção especializada. Isto já é outra maneira de a franquia lucrar, além das vendas.
Fonte: http://www.cpt.com.br/noticias/vantagens-franquia-notebooks

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Temos


Episódio 13



10 Atitudes do Vendedor de Sucesso

1º - Foco
2º - Motivação
3º - Iniciativa
4º - Criatividade
5º - Inteligência emocional
6º - Ética
7º - Comprometimento
8º - Resiliência
9º - Persistência
10º -  Autodesenvolvimento



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=xNYtmkxQ0F4&feature=related

TCU lança edital para 70 vagas de nível superior com vagas para a região Norte


O Tribunal de Contas da União (TCU) abre inscrições no dia 5 de setembro do concurso para 70 vagas para auditor federal de controle externo: 68 na área de controle externo (42 para auditoria governamental e 26 para auditoria de obras públicas) e 2 na área de apoio técnico e administrativo, na especialidade de psicologia. Os cargos exigem nível superior de escolaridade em qualquer área de formação nos dois primeiros casos e formação em psicologia no terceiro caso. O salário é de R$ 11.256,83.
As vagas para auditoria de obras públicas e psicologia serão para lotação em Brasília. As vagas para auditoria governamental serão distribuídas da seguinte forma: 22 em Brasília, 3 no Acre, 2 no Amapá, 1 no Amazonas, 6 no Maranhão, 4 em Rondônia e 4 em Roraima.
As inscrições devem ser feitas de 5 a 26 de setembro pelo site http://www.cespe.unb.br//concursos/tcu2011/. A taxa é de R$ 100,00.
O concurso terá provas objetivas e de provas discursivas. Haverá ainda programa de formação, a ser realizado em Brasília, com duração mínima de 120 horas.
As provas objetivas (conhecimentos básicos e específicos) e as provas discursivas (conhecimentos básicos e específicos) serão realizadas em Brasília, Rio Branco, Macapá, Manaus, São Luís, Porto Velho e Boa Vista.
A prova objetiva e prova discursiva de conhecimentos básicos serão aplicadas na data provável de 29 de outubro, no turno da tarde.
A prova objetiva e prova discursiva de conhecimentos específicos serão aplicadas na data provável de 30 de outubro, no turno da tarde.
Fonte: http://www.rondoniaovivo.com/noticias/tcu-lanca-edital-para-70-vagas-de-nivel-superior-com-vagas-para-a-regiao-norte/79102

De empregado a patrão com um negócio já estruturado


Franquia abre portas para o empreendedorismo em diversos setores


Com crescimento de 20,4% em 2010 na comparação com o ano anterior e faturamento de mais de R$ 75 bilhões, o setor de franquias desponta como uma excelente oportunidade para quem sonha com o negócio próprio. Os riscos do empreendedorismo são minimizados pelo fato de a marca, na maioria dos casos, já estar consolidada no mercado e a diversidade de áreas de atuação e modelos de negócio complementam a lista de atrativos.
Se a taxa de mortalidade de empresas no Estado de São Paulo é de 27% no primeiro ano de atuação de acordo com pesquisas do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), a redução é bastante considerável quando se trata de franquia - cai para 1% segundo o diretor executivo da ABF (Associação Brasileira de Franchising), Ricardo Camargo. 

O fato está entre as justificativas para o crescimento considerável das franquias no ano passado, ao lado de itens como o aumento da classe C, a mudança de perfil do mercado de trabalho - pela primeira vez, o Brasil vive uma fase de pleno emprego - e, ainda, aos 43% do PIB atualmente destinados a crédito.
O cenário é positivo, mas franquia não é sinônimo apenas de investimento financeiro. “É pessoal também”, enfatiza Ricardo, comentando que o empreendedor precisa se identificar com o negócio. “É o começo de tudo.”
Foi justamente esse um dos principais pontos considerados por Antonio Carlos Zaparoli quando, em agosto de 2003, se tornou um empreendedor. “Sempre tive em mente apostar na área de alimentação pelo simples fato de ser o último setor atingido em tempos de crise, por exemplo”, justifica. 
E se entre as características necessárias para um empreendedor está “ser uma pessoa disposta a correr riscos” de acordo com o gerente regional do Sebrae, Antônio Carlos de Aguiar Ribeiro, Zaparoli representa bem a teoria - ele entrou para o universo do empreendedorismo assumindo uma franquia da rede Giraffas, no Maxi Shopping, exatamente em momento de crise. “A própria franqueadora não acreditava mais no potencial da loja de Jundiaí.”
Hoje, contudo, a história descrita mostra uma trajetória de sucesso. O empreendedor conta com três franquias da rede na cidade - no hipermercado Extra da avenida Antonio Frederico Ozanan e no Russi da Vila Hortolândia, além da loja no Maxi Shopping, uma das unidades da rede que mais vendem no Estado de São Paulo. Segundo Zaparoli, suas franquias em Jundiaí são expoentes em nível nacional. E são mais de 340 restaurantes Giraffas em todo o país.
“Quando tem convenção com os franqueados fico até constrangido porque todo mundo quer conhecer o dono das franquias de Jundiaí. Costumo dizer que não faço nada demais, a verdade é que tem muita gente por aí que faz menos do que deveria”, diz, com simplicidade. No início da empreitada, Zaparoli chegou a lavar pratos e trabalhava mais de 14 horas por dia.
Embora o modelo de franquia dê mais segurança, há desafios incontáveis a serem superados. “No meu caso, o principal foi montar uma boa equipe. Gosto de dizer que tenho tido a felicidade de contar com bons profissionais”, enfatiza, comemorando o fato de a mulher, os dois filhos e uma das noras hoje fazerem parte do negócio também. “No ano que vem, quando abir a nova franquia no shopping da 9 de Julho, a ideia é que a outra nora também faça parte da equipe.”



Uma das três lojas da rede Giraffas em Jundiaí: 
exemplo de sucesso em faturamento para o Estado
Os quatro mais promissores
Alimentação, moda, saúde e educação são áreas que se destacam quando se trata de franquias. Também tem aumentado a representatividade de setores como turismo e informática de acordo com o diretor executivo da ABF (Associação Brasileira de Franchising), Ricardo Camargo.
Planejamento dos custos de instalação
O franqueador calcula a construção e instalação da nova unidade, com base na unidade-padrão. Num negócio independente, os custos podem fugir da previsão.
Economia de escala em publicidade
Os custos de propaganda são rateados entre os franqueados, havendo redução nos investimentos e é possível melhorar a qualidade da propaganda.
Independência jurídica e financeira
Apesar da autonomia não ser total, o franqueado possuirá independência jurídica e financeira em relação ao franqueador, tando sua própria razão social.
Pesquisa e desenvolvimento
O custeio da pesquisa e desenvolvimento de novos produtos caberá inteiramente ao franqueador, que os testará em suas unidades antes de lançá-los na rede.
Oportunidades variadas no setor de turismo
De representante da TAM Viagens há mais de 10 anos em Sorocaba, Emília Delgado Lanças, 49, se tornou proprietária de três lojas da franquia quando a empresa adotou o modelo de franquias, no ano passado. E foi isso o que abriu possibilidade de atuação em Jundiaí - desde fevereiro deste ano funciona a TAM Viagens no Shopping Paineiras. “O modelo de franquia me deu segurança para crescer porque conto com todo um suporte da franqueadora Auxiliaram até mesmo na escolha do local”, diz. Hoje, a unidade de Jundiaí se destaca no ranking de franquias da rede. “Havia demanda na cidade.”
Perfil de empreendedor
Pessoas de 25 a 50 anos e com nível superior completo. Esse é o perfil do empreendedor brasileiro de acordo com o diretor executivo da ABF, Ricardo Camargo. O que chama a atenção é o número de mulheres que tem se tornado donas do próprio negócio. “Elas já representam de 35% a 40%, bastante significativo”, avalia, lembrando que é preciso ter recurso próprio de pelo menos 50% do valor do investimento para capital de giro.
20 
Por cento é o quanto corresponde o setor de alimentação entre o faturamento anual de franquias no Brasil.

Marcelo Bomeisel Gasparoto comemora o sucesso à frente de duas
lojas da Mil-Milkshakes, em Jundiaí e Cabreúva, há quase três anos
Quando empreender é mais do que uma oportunidade
Um sonho foi realizado quando Marcelo Bomeisel Gasparoto, 38 anos, abriu sua primeira franquia da marca Mil-Milkshakes no bairro Jacaré, em Cabreúva, há quase três anos. Mas o sucesso da empreitada só se justifica pela determinação, horas e horas de dedicação ao trabalho e visão estratégica para os negócios - o que rendeu oportunidade para crescer rápido: a segunda franquia da mesma rede foi aberta em Jundiaí, na Vila Arens, há quase um ano.
“Trabalhava na área financeira em São Paulo, mas estava descontente. Em 2007, quando decidi realmente empreender, fui atrás de buscar informações sobre o mercado e conhecer as possibilidades”, explica. Marcelo seguiu à risca as dicas de especialistas. Fez curso de empreendedorismo no Sebrae, participou de feiras de franquias da ABF, foi atrás de conhecer as experiências de franqueados da marca e, ainda, investiu tempo na elaboração de um detalhado plano de negócios.
Até mesmo a questão da sazonalidade do mercado em que atua foi considerada. “Abri consciente de que, no inverno, a queda do faturamento chega a 30% e de que é preciso ter estratégias para lidar com isso”, conta. 
Com o sonho do empreendedorismo, a opção pela franquia se justifica pela maior segurança. “Hoje, se quiser formatar o meu negócio, eu sei como fazer isso. A franquia me deu essa base.” No caso de Marcelo, o maior desafio foi a gestão de pessoas. “Nunca tinha liderado uma equipe, mas gosto de me relacionar com as pessoas”, conclui.
Oportunidade bem aproveitada no mundo da moda
De representante comercial a dono de três lojas da franquia Pink Biju, Elias Gabriel Pena, 54, conta que o modelo de negócio foi o que chamou a atenção. “As mulheres são um público que, comprovadamente, consomem mais. E bijuterias têm custo acessível a todo mundo, ao contrário de joias”, explica. Neste nicho de mercado, a principal facilidade por fazer parte de uma rede é não precisar se preocupar com fornecedores nem com conhecimento profundo a respeito de tendências da moda. “A franqueadora me oferece tudo isso, estou bastante satisfeito com o negócio.”
para se observar
Uma das três lojas da rede Giraffas em Jundiaí: exemplo de sucesso em faturamento para o Estado
Fonte: http://www.redebomdia.com.br/noticias/dia-a-dia/65567/franquia+abre+portas+para+o+empreendedorismo+em+diversos+setores


FRANQUIA OFERECE OPORTUNIDADE NO RAMO DE ORTODONTIA

A GOU Franquias (Grupo Ortodôntico Unificado), com apenas um ano e meio de fundação, apareceu na 18º posição no segmento Saúde e Bem- Estar, no ranking 2011 das 500 melhores franquias do País, organizado pela revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios. O grupo oportuniza a possibilidade do interessado financiar até 100% do negócio pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB).


Segundo o sócio-proprietário da GOU, Luiz Carrano, o crescimento do setor odontológico e das operadoras de Planos de Saúde aumentou cerca 12,42 % em 2008. O motivo: as classes C, D e E maioria na pirâmide social no Brasil, são as que mais estão movimentando a economia. ‘Elas foram incluídas no crescimento do mercado e passaram a consumir serviços de tratamentos estéticos e de saúde bucal, antes só acessíveis a classes A e B.’Ele ressalta também que o objetivo é fazer com que os clientes, de todas as classes sociais, fiquem totalmente satisfeitos. ‘Temos que lembrar que, até pouco tempo atrás, as pessoas com menor poder aquisitivo não se sentiam à vontade para entrar numa clínica no padrão da GOU.’Ele, que atua no mercado de franquias há 12 anos com outras marcas, explica que a economia mudou e, por isso, foi necessário repensar a maneira como as clínicas de Ortodontia atuavam. ‘Estamos criando um novo padrão de atendimento. Para isso, oferecemos treinamentos que abrangem desde copeira até o dentista’, diz.OportunidadeA GOU oportuniza a possibilidade do interessado financiar até 100% do negócio pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB). A carência pode chegar até 122 meses, dependendo do perfil do interessado. A maioria dos bancos pratica o prazo de 12 meses.Carrano afirma que o retorno do investimento vem em aproximadamente 15 meses. O fluxo de atendimento nas clínicas está 30% acima do esperado pelo plano de negócios da marca. ‘É possível obter 35% de lucratividade no 12º mês de operação. Em média 40% dos franqueados possuem mais de uma franquia. O que os atrai é o baixo capital de investimento e o suporte regionalizado através da Master Franquia.’NúmerosFundada em fevereiro de 2010, em Araçatuba (SP), a rede já conta com 60 unidades. Até o final de 2011, a marca quer chegar ao número de 80 novas franquias. A Estimativa é fechar o ano com um faturamento de R$ 1 milhão de reais. A meta a longo prazo é chegar a 1.800 clínicas em 10 anos de atividade.O crescimento das franquias no BrasilNo país, o faturamento total das franquias alcançou no ano passado a marca de R$ 75.987 bilhões, conforme dados da Associação Brasileira de Franquias (ABF). O número de redes em operação no país cresceu 12,9% e o número de unidades (franqueadas e próprias) chegou a 86.365, o que significa um incremento de 8% em relação ao ano anterior. Essa expansão resultou na abertura de mais de 57 mil novos postos de trabalho. O setor é responsável hoje por mais de 777 mil empregos diretos.